sábado, 21 de fevereiro de 2009

A sala de aula ainda está no século 19


O artigo “ A pedagogia vê o professor como única fonte de saber e despreza novas tecnologias” de Juan Carlos Rodríguez Ibarra , vem confirmar a triste realidade, pela qual passam as nossa escolas públicas .

Com objetivo de compartilhar conhecimentos e novas descobertas entre alunos e professor , criei um blog para aula de Filosofia “Filosofia é o limite” e para as aulas de Sociologia “Sociologia é o limite”. Mas como muitos alunos não tem acesso a tecnologia e a escola “está esperando a reformar para sala informática”, não há como usar os computadores disponíveis . Portanto, o blog será apenas para uso de alguns alunos interessados que possuem acesso a internet.



A pedagogia vê o professor como única fonte de saber e despreza novas tecnologias


Desde 1995, ano em que a internet se socializa e se põe à disposição de todo o mundo, as coisas começaram a mudar na sociedade do final do século 20. Essas mudanças seguem afetando substancialmente os conceitos tradicionais dos quais nos valíamos desde o final do século 19. Com à internet ao alcance de todos e a novas tecnologias ao alcance de quase todos, os conceitos tradicionais mudaram, ainda que exista gente que se aferre ao antigo sem perceber que o passado não é capaz de fazer frente aos desafios que temos diante de nós.

Qualquer conceito que examinemos oferece uma nova imagem, radicalmente diferente da que havíamos formado no imaginário coletivo durante séculos. A educação é um exemplo. Fala-se e teoriza-se muito sobre o chamado fracasso escolar, apoiando-se em relatórios para analisar o tal fracasso utilizando parâmetros da sociedade industrial, desconhecendo que com a internet entramos numa nova sociedade. Os relatórios analisam resultados, mas evitam entrar nos conteúdos, instrumentos e atitudes dos sistemas educativos.

Todos sabem que, quando ocorre um acidente de avião, a primeira providência é buscar e analisar a famosa caixa-preta, onde estão todas as informações sobre o que aconteceu no momento do desastre. A análise do sistema educativo deveria buscar e analisar a caixa-preta da educação, a sala de aula.

O que nos diz essa caixa-preta? Primeiro que a informação já não é fonte do poder e autoridade do professor. Durante séculos o professor era o depositário da informação que ia transmitindo, ano após ano, aos alunos, sem outro auxílio que não livros de texto, lousa, giz e alguns poucos meios didáticos que o estudante só podia usar em sala de aula. O professor era o xamã da tribo, sabia o que tinha de saber e transmitia isso da forma que podia transmitir. Na aula se segue a mesma metodologia, depreciando a evidência de que a informação já não é patrimônio do docente mas que, em grau superlativo, está à disposição do aluno num aparelho que permite buscar em segundos tudo o que é necessário saber. A internet é um magnífico instrumento. Libera informação em tal quantidade que o professor que a menospreze ou pretenda competir com ela está deixando de exercer seu novo papel, o de se converter em agente organizador capaz de fazer com que o aluno saiba utilizar a rede para pescar o que precisa e para que a informação chegue ao estudante em forma de conhecimento.

Enquanto nos empenharmos em evitar a nova realidade estaremos incidindo nos mesmos erros que se cometeram historicamente, quando alguns sistemas educativos se empenhavam, por exemplo, em amarrar a mão esquerda às costas dos alunos, obrigados a escrever com a mão direita porque assim ditava a norma, mesmo que fossem canhotos. O sistema demorou a aceitar que o cérebro se organiza de forma diferente para destros e canhotos e que era um atentado contra a natureza pretender que todos fossem destros.

Os alunos nascidos depois de 1995 são digitais, e só digitais. Nasceram com as novas tecnologias e seu mundo não é analógico, por mais que o sistema educativo se empenhe em vê-los como tais e anular a digitalização durante a jornada escolar. É de novo a mão presa às costas para que sigam analógicos. Um adolescente de 12 ou 13 anos é digital quando se encontra fora da aula e analógico quando se senta em sua carteira. Essa contradição se choca com os interesses do aluno, impedindo que desenvolva suas potencialidades, se aborrecendo diante de um sistema pedagógico inadequado às regras e normas que tem em sua casa ou na rua.

Alunos que fora do período escolar têm a oportunidade de usar um computador para conectar-se ao resto do planeta na escola se deparam com a limitação de uma parede adornada com uma lousa que mata sua imaginação e sua capacidade de unir-se ao mundo. Ninguém pode achar estranho que o sistema fracasse. O argumento de muitos de que a educação sempre foi assim é uma falácia que evita a responsabilidade de envolver-se com o treinamento e uso de tecnologias que o aluno usa com naturalidade na rua e das quais se vê privado nas aulas.

Nenhum cidadão aceitaria que seu diagnóstico fosse elaborado com o uso de antigos recursos da medicina quando a ciência já oferece novas tecnologias que evitam erros de avaliação subjetiva. Não existe médico que dispense o uso de novas tecnologias em sua profissão. O médico se sente responsável pela sorte de seu paciente e, em conseqüência, tudo que o ajude a fazer um melhor diagnóstico será usado, independentemente de que os métodos fossem diferentes ou de que em seus tempos de estudo tais tecnologias não existissem. Ao contrário, estamos dispostos a seguir aceitando a velha pedagogia que rejeita o novo, com o argumento de que sempre foi assim e assim é que deve ser.


Juan Carlos Rodríguez Ibarra, El País (Fonte: Revista da Semana 27/07/2008)

Nenhum comentário:

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin