sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Adolescentes resignam-se ao bullying

Pensamos que isso nunca vai acontecer conosco. E quando acontece? Minha filha foi (ainda é) vitima de bullying, e tudo começou com o ciberbullying ... "grandes amigas da sala de aula" .

Violência encarada com normalidade entre os jovens




A maioria dos adolescentes acha que o bullying em contexto escolar “sempre existiu e continuará a existir” e encaram com “pessimismo e resignação” o fenómeno, o que torna difícil uma intervenção eficaz e deixa pouca esperança à sua erradicação. São estas as principais conclusões de uma tese de doutoramento apresentada na Universidade de Granada, em Espanha, e que foi coordenada, entre outros, pela investigadora portuguesa Ana Maria Tomás Almeida, da Universidade do Minho.

O objectivo deste trabalho foi analisar a perspectiva dos próprios protagonistas do fenómeno relativamente ao bullying, utilizando uma amostra de 1.237 jovens entre os 11 e os 16 anos das cidades de Braga, Porto e Granada. O estudo conclui que entre os inquiridos 7,3% são vítimas, 8,5% agressores e 84,1% presenciam actos de violência entre colegas.

Segundo Ana Tomás Almeida, esta “é uma realidade preocupante que justifica uma intervenção”. “Há que promover uma consciencialização relativamente a valores sociais fundamentais, como o respeito pelo outro”, acrescenta a investigadora.

O estudo refere que a aceitação do bullying como uma rotina e algo natural nas relações sociais entre os jovens é crescente. “Essa indiferença dos jovens face ao fenómeno deve-se sobretudo à banalização e tolerância da violência na escola e na sociedade em geral nas mais variadas situações, nos jogos de vídeo, na televisão, etc”, comentou ao PÚBLICO Sónia Seixas, doutorada em Psicologia e autora de uma tese sobre bullying. “Se não existe intervenção por parte de uma figura adulta, há como que um reforço não dito, a atitude agressiva intensifica-se”, sublinha Sónia Seixas. E acrescenta: “Este fenómeno surge de uma necessidade de afirmação normal na adolescência; no entanto, o bullying não é normal, essa afirmação pode ser manifestada de formas saudáveis.”

O questionário aplicado aos jovens revela que as vítimas de bullying são descritos como pessoas passivas, socialmente incompetentes, ansiosas, depressivas e inseguras; por outro lado, os agressores, são vistos como fortes, extrovertidos e alegres, detentores de um poder e confiança que reforçam o seu carácter de liderança dentro do grupo.

A investigação provou também a existência de algumas diferenças decorrentes do sexo dos jovens no que toca à percepção deste fenómeno. As raparigas tendem a ser mais críticas que os rapazes criando uma maior empatia com as vítimas. A coordenadora portuguesa acrescenta que “de facto as raparigas não participam muito nas formas tradicionais de bullying, mas aderem às vias de pressão indirecta como o ciberbullying, por exemplo”.

Segundo o estudo, esta recente forma de agressão aos jovens, utilizando as novas tecnologias como os telemóveis ou a Internet, está a aumentar e, na opinião de Sónia Seixas, “cabe mais aos pais a vigilância nesta matéria, uma vez que é em casa que esta ameaça está mais presente”. “Esta é uma situação muito complexa, porque sabemos quem são as vítimas, mas não conseguimos conhecer os agressores.”

As conclusões desta investigação permitiram detectar problemas e questões que poderão ser úteis na aplicação de medidas realistas e consistentes no espaço escolar. “Há que perceber o fenómeno, perceber como ele se processa e se forma. A abordagem preventiva deve ser o caminho”, refere a professora da Universidade do Minho.

As soluções poderão passar por uma maior supervisão dos espaços que, se acontece com relativa eficácia nos 1.º e 2.º ciclos, no 3º ciclo, que corresponde ao pico da ocorrência deste fenómeno, na generalidade, praticamente não existe, por outro lado há que apostar numa rígida regulamentação nas escolas, consciencializar os pais de que existe um regulamento disciplinar que deve ser respeitado e que deve ser transmitido aos alunos”, remata Sónia Seixas.

De referir que esta tese foi orientada por Maria Jesús Caurcel Cara durante os anos de 2006, 2007 e 2008 e coordenada, para além de Ana Tomás Almeida, por mais dois professores da Universidade de Granada.


Artigo do “Público”, de Renato Duarte
Imagem daqui

Fonte: Esse excelente artigo sobre bullying , foi publicado no ProfAvaliação, pelo amigo português Miguel Loureiro.




Visite os blogs :

ProfAvaliação - A Educação em Portugal
http://www.profblog.org/

Rotary Club da Póvoa de Varzim
http://rcpvarzim.blogspot.com/

3 comentários:

Miguel Loureiro disse...

Marise
Por saber que o assunto te tocava, publiquei o artigo, que acaba por retratar o que vai acontecendo pelo mundo, nuns sítios com mais relevo e nem sempre com as mesmas consequências.
Aqui posso falar, pelo menos do caso de uma aluna, em que a consequência de ter sido vítima de bullying, foi esconder-se nos estudos (mudando de escola) e conseguiu ser a melhor aluna, com nota final de 20 (aí 10).
Espero e desejo que a sorte da tua filha seja a mesma, mas nós professores temos que deixar de ter medo de reagir e de contrariar tais comportamentos.
O melhor para a tua filha.

Em@ disse...

Marise:
Eu deixei este comentário no Profavaliação e repito-o aqui:

Eu não deixo passar em branco uma situação de bullying. Vou até às últimas consequências.Seja na(s) minha(s) turmas, no corredor ou no exterior. Dá chatice? Pois dá. Mas temos que começar por algum lado.

Ninguém pode assobiar para o lado. É nosso dever intervir. Sempre e darmos aos alunos que sofrem com o bullying competências para se saberem defender.

Desejo que sua filha ultrapasse depressa este problema.

Tudo de bom. :)

ALUISIO CAVALCANTE JR disse...

Marise.
Acredito que o momento vivido pelo Brasil, requer uma avaliação sobre o que estamos ensinando.
De que vale encher a juventude de fórmulas, datas, provas, se não somos capazes de ensiná-los a olhar para si e para o outro.
Este texto inspira profundas reflexões.
Lindo final de semana para ti.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin