terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Acenos de esperança



O que é um jardineiro? Uma pessoa cujo pensamento está cheio de jardins. O que faz um jardim são os pensamentos do jardineiro. O que faz um povo são os pensamentos daqueles que o compõem. (Rubem Alves)


Era uma tarde de muito calor. Milhares de professores, embalados por sua cidadania, caminhavam pelas ruas de nossa capital Porto Alegre. Um suave aceno embalava as suas utopias. Uma senhora, de um edifício bem alto, na Borges de Medeiros, ninava as suas esperanças, embalando um lenço verde. É, o lenço era verde e verde é de esperança. E aquela senhora reconheceu que aquela multidão era movida por uma causa: a educação pública e de qualidade para todos.


Não cometemos crime ao lutar por nossos direitos, como muitos desejam supor. Sem medos, caminhamos pacificamente, segurando bem firme as nossas armas: nossa voz e nossas bandeiras. Aprendemos, faz bom tempo, que quem luta, também educa. E que se "educar é nossa vida, lutar é nossa atitude".


O sol escaldante e reluzente da capital nos fez lembrar do educador Rubem Alves, que certo dia resolveu perguntar-se e responder-se: "o que é que se encontra no início? O jardim ou o jardineiro? É o jardineiro. Havendo um jardineiro, mais cedo ou mais tarde um jardim aparecerá. Mas, havendo um jardim sem jardineiro, mais cedo ou mais tarde ele desaparecerá. O que é um jardineiro? Uma pessoa cujo pensamento está cheio de jardins".


Se pudéssemos conversar com a senhora do lenço verde, da Borges de Medeiros, e com todos os que nos acenam (dos mais diferentes jeitos), diríamos a estes que os professores e professoras semeiam, todos os dias, um jardim de esperanças em suas salas de aula. Que todos os dias, enfrentam o seu ofício não só pelo salário, mas como uma missão de contribuir para com a humanidade, através da educação. Que todos os dias correm riscos de vida, pela vida de outras pessoas, por causa da violência que já chegou às nossas escolas. Que seus dias tem sido castigados, semelhante ao castigo que o sol impõe às plantas do jardim, no rigor dos nossos verões.


Nós somos jardineiros e fazemos a luta a partir de nossa dignidade. Somos referência para muitos jovens, porque ainda não deixamos de semear em suas vidas (e em seus corações) a idéia de que a vida é um jardim, que precisa ser cultivado, regado e cuidado. As flores precisam de carinho. Os seres humanos, de reconhecimento. Os vegetais precisam de sol, os alunos precisam de horizontes. As plantas precisam de terra, adubo e água. Os seres humanos precisam de estímulos, zelo e cuidados.


Logo a gente que cuida de jardins, não é bem cuidado. O nosso clamor é por reconhecimento. Por sabermos da importância dos jardins, exigimos que os governos façam sua parte para engrandecer e embelezar o jardim das nossas vidas, e o jardim das vidas daqueles e daquelas que cuidamos com o maior carinho. Lidamos com vidas e temos dignidade. Sabemos, por consequência, quanto nos custa ensinar, mas não reclamamos deste custo. Como amamos a nossa profissão, resolvemos pedir que nos reconheçam como gente, e como profissionais da educação.


Sabemos que o sol tende a nos castigar com o avanço do verão. Mas também sabemos que este mesmo sol brilha para todos e é fonte inesgotável para gerar vida, capaz de conduzir novos horizontes. No horizonte do sol, arriscamos paralisar as aulas, pois aprendemos que aqueles que nada arriscam nada podem conquistar. E para a senhora do lenço verde, pedimos que não canse de nos acenar, pois a vida e a luta é esperança. Seu gesto, com certeza, estimulará muitos outros a nos acenar. Obrigado!


Texto: Prof. Nei Alberto Pies

Nei Alberto Pies é professor e ativista dos direitos humanos


Fonte: Publicado no Boletim semanal do O dia D - reflexões filosóficas - ano 3- número 104- 20/11/2008
Imagem: praça da Cidade de Victor Graeff - RS em 28/07/2009.

6 comentários:

Em@ disse...

Marise:
Lá tive que lhee atribuir + 1 selinho. Passe pelo meu blog e traga-o consigo.:)
Volto depois para ler com atenção o post.
Beijócas

Em@ disse...

Voltei para ler o post e ainda bem que o fiz.
Revi aqui a nossa luta enquanto professores em Portugal. Temos um Oceano a separar-nos eque fazem milhares de Kms , mas a luta é praticamente a mesma.
Posso reblogar Marise, par ao postar amanhã?

Beijinhos
Beijinho

Marise von disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marise von disse...

Em@,
Fique a vontade para reblogar, o que vc quiser é sempre uma honra.
A luta dos professores protugueses e brasileiros não difere muito, clamamos por dignidade, reconhecimento e uma educação de qualidade. Para que no futuro, nossos "alunos" possam ser cidadãos pensantes...que sabem o que estão fazendo e o por que?
Beijos,
Marise.

Suziley disse...

Oi, Marise:
Belo texto do Professor Nei Alberto Pies..Belo Rubem Alves...a educação é um espaço artesanal onde se constrói humanidades em terrenos férteis da esperança!! Parabéns, professores e educadores Marise, Nei Alberto e ao nosso querido Rubem Alves!!
Um abraço fraterno,
Suziley Silva.

Marise von disse...

Suziley,

Sou fã dos professores Nei Alberto Pires e do professor Rubem Alves.
Eles são exemplos a seguir.
Abraços,
Marise.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin