sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Fashion era minha avó, por Irineu Guarnier Filho *




Nada como a iminência de uma catástrofe ambiental em escala planetária para corrigir os maus hábitos de uma comunidade. Sou do tempo em que leite, refrigerante e cerveja eram vendidos em boas garrafas de vidro, reutilizáveis. Para ir à feira ou ao supermercado, as donas de casa utilizavam sacolas de lona. O cafezinho era servido em xícaras de louça. A água era bebida em copos de vidro. Pratos e talheres eram feitos de louça e aço inox. Capa de chuva era confeccionada em gabardine.

Tudo isso ficou fora de moda da noite para o dia com o advento das garrafas pet, das sacolas, dos copos, talheres e até das capas de chuva de plástico – tudo descartável. “Moderno” passou a ser usar uma vez só o que quer que fosse, e jogar fora em seguida. Até bens mais duráveis, como computadores, eletrodomésticos e celulares tornaram-se descartáveis nos últimos anos.

Em vez de consertar a TV ou a geladeira, comprava-se uma nova (e a velha ia para a calçada...). O celular tinha de ser trocado a cada seis meses por um modelo novo. A obsolescência programada se incorporou aos objetos do nosso cotidiano de forma tão “natural”, que quase nem percebemos. Até os carros atuais, feitos de plástico barato, parecem ter prazo de validade curto.

Felizmente, estamos percebendo que esse modo de vida absurdo, importado acriticamente dos EUA e do Japão, cobra um alto preço da natureza. Exaurindo os recursos naturais do planeta e transformando o mundo em que vivemos em um grande lixão. Por isso, as coisas já estão começando a mudar.

O que até há pouco era considerado “antigo”, agora é moderníssimo. A Coca-Cola, por exemplo, já oferece em supermercados e bares do interior de São Paulo garrafas pet reutilizáveis após reciclagem, com um bom desconto no preço do refrigerante. O grupo Pão de Açúcar estimula o uso de sacolas de pano. Empresas substituem copos descartáveis por canecas de louça ou vidro e reduzem o consumo interno de papel. Crescem, nos EUA e na Europa, movimentos como os da Simplicidade Voluntária, da Casa Pequena, do Consumo Consciente, o Slow Food, o Slow Travel, que propõem um novo estilo de vida, baseado na frugalidade, na reciclagem e na sustentabilidade. Moderninha, fashion mesmo, era minha avó.

Os praticantes desta nova filosofia de vida não são new hippies. Tampouco pretendem acabar com o capitalismo. Não se trata de um retorno nostálgico a Woodstock. De uma nova utopia regressiva. Nada disso. São pessoas comuns, como eu e você, que, um dia, perceberam que o consumo desenfreado não entrega a felicidade prometida pela publicidade. Gente que, com seu trabalho de formiguinha, tenta evitar não apenas o aquecimento global, mas a completa exaustão do planeta.

Felizmente, as novas gerações já estão mais atentas à urgência de economizar recursos naturais. O consumismo que marcou a minha geração deve ceder lugar a atitudes mais sensatas diante da avalanche de quinquilharias one way despejadas nos shoppings. Não importa se o aquecimento global resulta da ação do homem ou da própria natureza. Não importa se a COP15, de Copenhague, foi uma tremenda decepção. Cada um tem de fazer a sua parte para reduzir o impacto de sua passagem por este mundo.

Não me surpreenderia se, dentro de alguns anos, comprar e descartar objetos compulsivamente, como ainda fazemos, venha a ser algo tão malvisto socialmente como é hoje o consumo de cigarro ou de drogas. O potencial destrutivo dos atuais hábitos de consumo é ainda mais nocivo para a comunidade. Como o uso de qualquer droga, consumir irresponsavelmente produz uma euforia imediata, sucedida por uma sensação de vazio e depressão tão logo seu efeito se dissipa. O problema é que, quando se trata do meio ambiente, as consequências de nossos atos atingem a todos. Sem exceção.


zerohora.com - Acesse o tema de debate da Zero Hora:

Você acredita que é possível ser menos consumista numa sociedade na qual todos os apelos induzem ao contrário?

* Jornalista, apresentador do Canal Rural

Fonte: Jornal Zero
imagem em: modaemquestao.wordpress.com/.../

2 comentários:

Sonia Schmorantz disse...

Belo texto, tomara que bons hábitos voltem à moda, que sejam fashion!
beijo, ótimo fim de semana

Marise von disse...

Sonia,
Eu só espero, que não seja tarde de mais.
É necessário uma auto-conscientização , para que podemos conscientizar o outro.
Tudo começa na nossa casa.
Abraços,
marise.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin