sábado, 30 de janeiro de 2010

Faça o que eu faço

Sua postura ao ensinar afeta diretamente a turma. Veja alguns exemplos de situações problemáticas e como alinhar ideias com ações

Thiago Moreira (novaescola@atleitor.com.br)

Ilustração: Giba Valadares
Ilustrações: Giba Valadares

Mais sobre atitudes


Reportagens



Todo professor é avaliado a cada minuto por sua turma: tanto pode ser considerado um exemplo a seguir como ser taxado de incompreensível, volúvel, de comportamento estranho. Quando é visto como um modelo positivo, geralmente é porque age com coerência. "O discurso, quando colocado em prática, leva à confiança e à valorização da justiça, do respeito e da moral", explica Yves de La Taille, do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP). Essa maneira de ser é posta à prova diariamente ao solucionar conflitos. É a hora em que os estudantes notam atentamente as reações do adulto. "A garotada aprende com a forma de seus professores lidarem com as contrariedades que aparecem na sala de aula e replica esses comportamentos", afirma Andréa Pólo, psicopedagoga e autora de materiais didáticos.

Outra maneira de garantir que os alunos captem a mensagem que está sendo passada é explicar um conteúdo agindo em consonância com ele. Suzana Moreira, coordenadora pedagógica da Escola Projeto Vida, se lembra de um professor que começou a recolher bolinhas de papel pelo chão enquanto falava sobre desperdício. No fim da aula, os estudantes estavam ajudando a catar o que tinha restado. "A autoridade e a confiança dependem de conquistas diárias como essa. Daí a importância do bom exemplo", ressalta.

Mas nem sempre é fácil agir conforme o que é certo. E os jovens percebem esses deslizes. Pesquisa realizada por Helena Imanishi, do Instituto de Psicologia da USP, com 520 estudantes do Ensino Médio, mostra que 48% confiam pouco nas pessoas experientes, como professores.

Para evitar que você faça parte de um grupo que causa desconfiança, reflita e repense seu discurso. Errou? Procure mudar sua prática. Tenha claro que seu papel como líder de um grupo é ser compreensivo e respeitoso e que o ambiente de trabalho requer um comportamento exemplar. A seguir, leia algumas situações que podem acontecer em sala e como elas têm efeito na formação dos alunos.


Ilustração: Giba Valadares

1. Não cumprir regras


Casos condenáveis Criticar a ilegalidade, mas comprar filmes piratas. Cobrar pontualidade dos alunos e se atrasar para começar as aulas.
Impacto para a criança Falar uma coisa e fazer outra pode levar os alunos a não distinguir o certo do errado e fazer com que se perca o parâmetro. Outra possível consequência é deixar, para os estudantes, a noção autoritária de que as regras valem só para algumas pessoas.


2. Exagerar na dose

Casos condenáveis Ameaçar chamar a polícia para localizar objetos que desapareceram em classe, expor diante de todos aqueles alunos com dificuldade na aprendizagem, pedir que alguém delate um colega.
Impacto para a criança Além de consagrar a ameaça como um meio para obter a verdade, chamar a polícia para tratar de um problema interno da escola é tratar os alunos como bandidos. Em vez de culpar toda a turma pelo desaparecimento do objeto, você pode colocar o problema para ser resolvido por todos e estimular a criança lesada a expor o que sentiu na situação. Dessa maneira, o responsável pelo ocorrido pode, no anonimato, devolver o pertence. Já o que tem suas dificuldades expostas diante da turma ou precisa delatar o culpado por alguma falta pode passar a agir com desrespeito dentro e fora da escola.


Ilustração: Giba Valadares

3. Vacilar no compromisso

Casos condenáveis Perder avaliações e trabalhos feitos pelos alunos, atender e falar ao telefone celular durante o horário das aulas.
Impacto para a criança No caso das provas, além de se sentirem desrespeitadas, as crianças que são vítimas recorrentes de desleixos como esse podem se tornar descrentes da seriedade do processo educacional ou da escola. Sobre o celular, a postura pode banalizar a falta de respeito e levar os estudantes ao costume de fazer coisas similares e não acharem justo quando repreendidos.


4. Partir para a humilhação


Casos condenáveis Gritar com os alunos, fazer comentários agressivos sobre outras pessoas, chamar um aluno por apelido grosseiro.
Impacto para a criança Além de ser desagradável para aqueles atingidos pelos berros ou pelas palavras do professor, a cena pode influenciar outros alunos a considerar as práticas aceitáveis e reproduzi-las. "Erroneamente, casos como esse, também essenciais para a formação moral dos discentes, são considerados como pouco relevantes pelas escolas e não ganham o espaço que deveriam nas discussões", critica Débora Rana, coordenadora pedagógica da Escola Projeto Vida e formadora do Instituto Avisa Lá.


Ilustração: Giba Valadares

5. Deslizar no palavrório


Casos condenáveis Empregar termos impróprios e palavrões ao explicar o conteúdo com o intuito de conquistar ou se aproximar dos alunos.
Impacto para a criança Imitando o professor, os estudantes podem achar que é correto utilizar palavras chulas sem adequar seu vocabulário às diferentes ocasiões e interlocutores.

Reportagem sugerida por uma leitora: Silvana Angela da Silva, Vitória, ES


Quer saber mais?


BIBLIOGRAFIA


A Escola e o Conhecimento: Fundamentos Epistemológicos e Políticos, Mario Sérgio Cortella, 160 págs., Ed. Cortez, tel. (11) 3611-9616, 28 reais

INTERNET
Dissertação A Imagem do Adulto na Contemporaneidade - Uma Avaliação dos Jovens sobre os Adultos, de Helena Imanishi

Fonte:Revista Nova Escola

3 comentários:

Suziley disse...

Muito bom esse texto! Parabéns! É, as crianças, os adolescentes buscam a sintonia entre o dicurso, as palavras e as ações, as atitudes e os exemplos. Aliás, isso é próprio da natureza humana. E os professores devem se atentar para isso. Gostaria de sugerir a leitura, também, sobretudo para aqueles que são professores, do pequeno mais importante livro (dentro da filosofia da educação) do mestre e educador, Luiz Feracine (que, atualmente reside em Campo Grande, MS e com quem tive o privilégio de trabalhar): "O professor como agente de mudança social", editora EPU. Excelente também. É a dica que partilho com todos vocês! Um bom dia e um bom final de semana prá ti, Marise!
Um abraço fraterno,
Suziley Silva.

Angela Guedes disse...

Oi Marise!!!
Eu adoro tudo que você faz, vem sempre na hora certa, tristezas, alegria, sempre tocando os nossos corações.

Muito obrigada por este ótimo texto.
Beijinhos
Ângela

日月神教-向左使 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin