quinta-feira, 11 de março de 2010

Falar bem em público se aprende na escola

Seminário, debate e entrevista são conteúdos curriculares. Para que todos aprendam a tomar a palavra, é essencial orientar a pesquisa, discutir bons modelos, refletir sobre simulações e indicar formas de registro

Beatriz Santomauro (bsantomauro@abril.com.br)

Página 1 2 3 4 5 6 7

Quem não apresenta suas ideias com clareza ou defende mal seus argumentos diante um grupo enfrenta problemas tanto na sala de aula como na vida profissional. A escola, no entanto, não tem se dedicado à questão como deve. Embora o ensino da língua oral esteja previsto nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) há mais de uma década, essa prática está longe de ser prioridade. Ela é confundida com atividades de leitura em voz alta e conversas informais, que não preparam para os contextos de comunicação.

"Comunicar-se em diferentes contextos é questão de inclusão social, e é papel da escola ensinar isso", explica Claudio Bazzoni, assessor de Língua Portuguesa da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo e selecionador do Prêmio Victor Civita - Educador Nota 10. O que todo professor precisa incluir em seu planejamento são os chamados gêneros orais formais e públicos, que têm características próprias, pois exigem preparação e apresentam uma estrutura específica.

A língua oral está organizada em gêneros (entrevistas, debates, seminários e depoimentos) e o empenho do professor nas aulas deve ser o mesmo dado aos gêneros escritos (contos, fábulas, crônicas, notícias e outros). Assim como não há um texto escrito sem propósito comunicativo, tampouco existe uma só maneira de falar. É preciso criar contextos de produção também para os gêneros do oral - em que se determinam quem é o público, o que será dito e como. "É isso que permite aos alunos se apropriarem das noções, das técnicas e dos instrumentos necessários ao desenvolvimento de suas capacidades de expressão em situações de comunicação", explica Bernard Schneuwly, da Universidade de Genebra, na Suíça, no livro Gêneros Orais e Escritos na Escola.

A diferença entre a língua falada e a língua escrita é uma questão antiga. Até a década de 1980, elas eram consideradas opostas. Enquanto a primeira aparecia como incompleta e imprecisa, a segunda simbolizava formalismo e planejamento. Os debates recentes apontam para um caminho bem diferente. "O oral e o escrito têm pontos de contato maiores ou menores, conforme o gênero", defende Roxane Rojo, docente de pós-graduação em Linguística Aplicada na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

É necessário, portanto, ensinar a preparação de situações de comunicação oral com base num planejamento que requer quatro condições didáticas: orientação da pesquisa, discussão de modelos, análise de simulações ou ensaios e indicação de formas de registro. Veja nas páginas seguintes como desenvolvê-las na produção de entrevistas, seminários e debates.


Reportagem sugerida por três leitoras: Salma Marinho Rodrigues, de Bela Vista do Maranhão, MA, Edneia Dias da Rosa, de São Paulo, SP, e Juliana Maria do Rosário, de São Paulo, SP


Continue lendo



Fonte: Revista Nova Escola - Edição 230 | Março 2010

7 comentários:

Valdeir Almeida disse...

Essa abordagem é importante. Eu, como professor de Português, sem disso.

O trabalho com a oralidade em sala de aula não apenas estimula o aluno a se expressar bem, mas mostra para toda a turma que se deve respeitar as opiniões alheias.

Abraços, Marise e boa sexta-feira pra você.

Suziley disse...

Boa noite, querida Marise:
É muito importante nossas crianças e jovens criarem o hábito de bem expressarem o seu pensamento de forma lógica e coerente. E a aprendizagem aperfeiçoa-se com o exercício contínuo. Parabéns, pela postagem!!
Um grande abraço, :)

Suely Aymone disse...

Oi, Marise!

Trabalho no ensino médio...

... no início do ano letivo, é quase regra, recebo alunos emudecidos...

Aos poucos, vamos construindo o exercício da expressão das ideias...

É muito lindo observar as transformações... há muita coisa para ser dita...

Acho que desde os anos iniciais, como propões no post, deve ser desenvolvida a oralidade, principalmente, em situações formais de uso - seminários palestras, entrevistas...

Na escola em que meu filho estuda, há um trabalho bem interessante nesse sentido... desde a primeira série...

As crianças fazem seminários, por exemplo, usando recursos como slides, teatro, dança, cartazes, música... uma graça!!!

Beijos!

Arthur Bispo disse...

Olá!

Belíssimo blogue, vou acompanhar!

Visite www.mefilsul.blogspot.com e também www.daall-ifch.blogspot.com

Abraço.

RoB Dangal TV disse...

Se acercan los premios "RoB Dangal TV - 2010"
Participa votando tus blogs favoritos. Este año serán premiados 10 blogs destacados y el más votado será "Blog del Año". Pueden ser nominados blogs de cualquier plataforma: Blogger, Live Spaces, Wordpress, etc.
Envía un mail votando hasta 5 blogs que te gusten, con sus respectivos nombres y links, a: rob.dangal.tv@gmail.com.
La fecha límite de recepción de votos es el 10 de abril.
Gracias por participar!!

Valdecy Alves disse...

Sem dúvida que a blogosfera é o grande espaço para divulgação do pensamento moderno. Seja o conhecimento necessário à sabedoria, seja o conhecimento necessário à construção da justiça social.... Assim, além de parabenizar pelo blog, convido para ler artigo no meu blog sobre os 10 municípios que pagam os 10 piores pisos no Estado do Ceará, abaixo do salário mínimo: www.valdecyalves.blogspot.com

日月神教-向左使 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.

LinkWithin

Blog Widget by LinkWithin