quinta-feira, 29 de julho de 2010

Como trabalhar narrativas longas

No primeiro módulo deste projeto de formação, veja como discutir com os professores os conceitos de leitura, literatura e literatura juvenil

 

Foto: Victor Malta
Foto: Victor Malta
Despertar no estudante o prazer pela leitura não é uma tarefa simples, ainda mais quando se trata de narrativas longas. Para ajudar você, coordenador pedagógico, nessa missão, João Luís Ceccantini, professor de Literatura Brasileira da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp), campus de Assis, a 431 quilômetros de São Paulo, além de especialista em leitura, formação de leitores e literatura infantil e juvenil, preparou com exclusividade para NOVA ESCOLA GESTÃO ESCOLAR este projeto. Neste primeiro módulo, a proposta é discutir os conceitos de leitura e literatura.

Projeto de formação de professores
 
1º módulo: Leitura, literatura e literatura juvenil


Objetivo geral

Formar professores de Língua Portuguesa do 6º ao 9º ano e bibliotecários para o trabalho com narrativas
literárias longas.

Objetivos específicos

- Refletir sobre conceitos como leitura, literatura e literatura juvenil.
- Discutir as relações desses conceitos com a formação do leitor e o letramento literário.
- Despertar ou aprofundar no aluno o gosto e o prazer pela leitura do texto literário, particularmente as
narrativas longas.
- Propiciar o progressivo amadurecimento do aluno quanto à sua consciência de sujeito-leitor.


Conteúdos do 1º módulo

- Conceitos de leitura, literatura e literatura juvenil.
- Critérios de seleção de livros literários.

Tempo estimado
Dois meses.

Material necessário
Cópias dos quadros publicados neste material, obras literárias disponíveis na escola (de preferência, as que tiverem muitos exemplares de um mesmo título) e textos teóricos sobre leitura indicados na bibliografia de apoio.

Desenvolvimento
1ª etapa - Preparação do coordenador
Antes de iniciar o projeto, leia os textos indicados na bibliografia de apoio para poder promover debates mais ricos com a equipe. Durante a leitura, selecione os textos que achar mais interessantes para compartilhar com o grupo durante a formação.

2ª etapa - Leitura inicial
Leia em voz alta um texto literário curto, de cunho metalinguístico, que aborde como tema a leitura ou a literatura. Uma sugestão é o poema Biblioteca Verde, de Carlos Drummond de Andrade. Ouça as impressões dos professores sobre o texto. Para que eles adquiram maior consciência sobre o processo de leitura e se sintam mais preparados para a formação de leitores, proponha que leiam alguns dos textos indicados na bibliografia de apoio - que você também já deve ter lido - sobre os diferentes conceitos de leitura, sua natureza e suas funções. Solicite que todos leiam o material em duplas e comparem com o ponto de vista defendido por Maria Helena Martins no quadro O que É Leitura (abaixo). Faça um debate, enfatizando a ideia de compreensão presente no conceito exposto pela autora. Ressalte também a importância da contínua atribuição de sentidos que deve orientar a leitura na escola, em oposição a práticas mecânicas, nas quais se perdem o propósito principal da leitura e o horizonte da obra lida.
O que é leitura,
de Maria Helena Martins
(3ª edição, Ed. Brasiliense, São Paulo, 1984, pp. 30-31)

Seria preciso, então, considerar a leitura como um processo de compreensão de expressões formais e simbólicas, não importando por meio de que linguagem. Assim, o ato de ler se refere tanto a algo escrito quanto a outros tipos de expressão do fazer humano, caracterizando-se também como acontecimento histórico e estabelecendo uma relação igualmente histórica entre o leitor e o que é lido. (...) As inúmeras concepções vigentes de leitura, grosso modo, podem ser sintetizadas em duas caracterizações:
1) Como uma decodificação mecânica de signos linguísticos, por meio de aprendizado estabelecido a partir do condicionamento estímulo-resposta (perspectiva behaviorista-skinneriana);
2) Como um processo de compreensão abrangente, cuja dinâmica envolve componentes sensoriais, emocionais, intelectuais, fisiológicos, neurológicos,
bem como culturais, econômicos e políticos (perspectiva cognitivo-sociológica).


Continue lendo
Fonte: Revista Gestão Escolar

    Um comentário:

    Suziley disse...

    Muito interessante, Marise. Um ótimo final de semana para você, beijos no seu coração ;)

    LinkWithin

    Blog Widget by LinkWithin